Para uma Nova Escola, uma Nova Arquitetura Escolar

O espaço de encontro escola deverá integrar-se ao potencial educativo do território a que se insere, possuir ambientes acolhedores, diversos, adaptáveis, flexíveis e lúdicos, com possibilidade de integração com a ambiente natural. Ser uma arquitetura que ensina a sustentabilidade, que possibilita aprendizagens cooperativas e colaborativas, e potencializa a criatividade e a autonomia.

Ou seja, é necessário inovar o design da arquitetura escolar para que a nossa memoria afetiva e corporal de ensino-aprendizagem seja reprogramada, que possibilite colocar no centro do educar as relações humanas na direção de uma nova forma de ser e estar no mundo e não a reprodução fabril de engrenagens do sistema.

Para isso, a nova arquitetura escolar deverá:

1-  Estabelecer interfaces com a comunidade de contexto, para partilha de usufruto das instalações;
2- Não criar espaços com características de outros já existentes na comunidade e sim ser um espaço complementar integrando-se com os demais existentes no território;
3 – Não propiciar condições da prática de ensino frontal anônimo.

Pensando assim, a EcoHabitare compatibiliza o projeto arquitetônico à proposta pedagógica de uma nova educação, incorporando ao design as dimensões da sustentabilidade e processos construtivos de baixo impacto ambiental.

Nossa concepção de projeto

Nossa concepção de projeto, integra os princípios da arquitetura sustentável:

  1. Otimização do potencial construído do terreno de forma a reduzir alterações físicas radicais para implantação do edifício;
  2. Consideração das condições climáticas, da hidrografia e dos ecossistemas do entorno em que o edifício será construído, para obter o máximo desempenho e o menor impacto;
  3. Cumprimento com os requisitos de conforto higrotérmico, salubridade, iluminação e ocupação dos edifício;
  4. Eficiência energética (racionalização do consumo de energia para aquecimento, refrigeração, iluminação e outros usos), com priorização do usos de energias renováveis;
  5. Conservação de água com uso de água pluvial, reuso de água cinza e utilização de equipamentos economizadores;
  6. Otimização do processo de construção para reduzir os resíduos resultantes;
  7. Utilização de matérias e mão de obra local;

Para saber mais entre em contato

Entre em contato