Prefeitura de Caçapava do Sul aprova turma-piloto baseada nos paradigmas da aprendizagem em escola municipal da cidade

Aprovado no início de abril, o Projeto Escola da Floresta já agrega valor a partir de uma prática pedagógica inovadora.

O Secretário da Educação de Caçapava do Sul, Aristides Costa, e o coordenador pedagógico, Edimar Fonseca, se reuniram na manhã do dia 07/04 com o prefeito Giovani Amestoy para assinatura do início do Projeto Escola da Floresta em parceria com a Universidade Federal do Pampa, representada pelo responsável pelo NEABI (Núcleo de Estudos de Afro-brasileiros e Indígenas) e tutor de processos formativos da EcoHabitare Projetos Educacionais, Bruno Emílio Moraes.

A Turma-Piloto está sendo desenvolvida na Escola Municipal de Ensino Fundamental Professora Eliana Bassi de Melo, onde os estudantes terão a oportunidade de vivenciar o paradigma da aprendizagem e da comunicação. 

Integrando múltiplos dispositivos de aprendizagem, o tutor apoiará o educando a realizar seus desejos, sonhos e necessidades. Nas Turmas-Piloto, a metodologia de trabalho de projeto (MTP) ocupa papel central pela sua possibilidade de utilização para todas as idades, em níveis muito diferentes do sistema educativo, em contexto escolar ou fora dele, para situações educativas ou resolução de problemas sociais. 

O projeto começou a partir da vontade do Professor Bruno Emílio Moraes de construir uma educação que respeitasse o tempo e o ritmo de seus alunos: “eu trabalhei por um tempo no Ensino Básico e tentei fazer algo diferente, mas não fui instrumentalizado para isso, aí decidi ir para o ensino superior”. Em 2019, já na universidade, Bruno apoiou e participou do Projeto Formativo “Escolas em Transição” promovido pela EcoHabitare.  A formação exigia um caráter muito prático e induziu Bruno a procurar o apoio da escola do bairro em que morava. “A diretora topou o desafio, até fez uma formação da EcoHabitare para se situar, e assim começamos a fazer uma experimentação dentro da escola.”. O “Escolas em Transição” chegou ao fim em novembro daquele ano. No início de 2020, Bruno decidiu registrar o ato como um projeto de extensão da universidade em que ministrava, para assim continuar com o trabalho na escola, mas a pandemia acabou atrapalhando seus planos.

Durante esse período, a EcoHabitare promoveu a primeira edição do “Aprender em Comunidade” e convidou Bruno para ser um dos tutores da formação, “eu aproveitei que seria tutor para promover uma formação para os professores da escola do meu bairro e, assim, dar continuidade no projeto. Foi assim que nasceu o Projeto Escola da Floresta!”.

Para a Cláudia Passos, Coordenadora de Projetos para uma Nova Educação da EcoHabitare, as Turmas-Piloto são uma grande oportunidade para recriar as relações entre professor e aluno “é um dispositivo que pode desencadear uma mudança da prática educativa, onde reconfigura o papel do professor ao torná-lo tutor. Esta mudança, estabelece uma relação entre sujeitos dispostos a aprender juntos, numa dinâmica de ganha-ganha”. Além disso, Cláudia se mostra otimista com essa conquista do colega e espera que sirva de exemplo para outros educadores que desejam a mudança.

Atualmente, o Projeto Escola da Floresta está em processo de acolhimento das famílias que desejam participar e a previsão de início das atividades é na semana que vem.

Por: Luana Perdoncini